O Vento

Eu tinha medo das ruas, tinha medo do trânsito, tinha medo do desconhecido, tinha medo do inesperado. E assim eu andava olhando para os lados, calculando a velocidade dos veículos para atravessar a rua, prestando atenção na expressão das pessoas para descobrir se estavam em um bom dia. Sempre disposta a dizer alguma palavra agradável para fazer o dia de alguém feliz.

Afinal, talvez eu tivesse o poder de alegrar o dia de alguém e mudar um ciclo de energia naquele dia. Mas eu tinha medo. Porém, eu não deixava de seguir. Eu caminhava em frente, eu olhava para os lados, eu prestava atenção nos olhares e eu dizia “bom dia”.

Mas agora, eu não tenho medo das ruas, eu não medo do trânsito, eu tenho apenas medo do vento que chega no final da tarde. O vento bate na janela e ouço seus rugidos que são fortes e me fazem lembrar que eu tinha medo das ruas.

No entanto, caminho até a janela, abro uma fresta e não posso ver nada, do alto eu vejo os carros passando pela rua, pessoas andando pelas calçadas e eu estou aqui dentro. De longe vejo o sol começar a se pôr e fecho novamente a janela, mas o vento volta a gritar e, sozinha continuo com medo.

Me deito na cama e puxo a coberta, conto algumas contas até pegar no sono e tento fugir do barulho do vento.

Amanhece, pego a xícara de café e abro a janela, o vento se foi, a rua não tem trânsito, as pessoas ainda não estão na calçada, sei que tenho algumas horas de repouso até o vento chegar no final da tarde, me lembrando que sinto medo.


Clara Ribeiro


Imagem: Unsplash


#letras #autoresnacionais #reflexoes #ebook #instabook #blogliterário #womensupportingwomen #womenpower #womenempowerment #romance #livros #libros #amoler #amolivros #poemas #pensamentos #mulheresqueescrevem



9 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo